top of page
  • brunorizzo@gmail.com

Recrutamento e Seleção: os desafios do uso da Inteligência Artificial para uma diversidade inclusiva




Nos últimos anos, a aplicação da inteligência artificial (IA) tem revolucionado diversas áreas da vida moderna, desde a customização de assistentes virtuais até o diagnóstico médico, e o recrutamento e a seleção de talentos não ficaram imunes a essa transformação. Empresas de todos os setores estão cada vez mais recorrendo a algoritmos e sistemas inteligentes para otimizar seus processos de contratação. No entanto, embora promissores, esses avanços não estão isentos de desafios.


Um dos aspectos críticos a serem considerados no emprego da IA é garantir a imparcialidade e a equidade nos processos. Algoritmos são tão parciais quanto os dados com os quais são alimentados e, como derivam de uma sociedade marcada por desigualdades, é inevitável que já estejam contaminados com preconceitos e viés. Como resultado, podem inadvertidamente perpetuar e amplificam as desigualdades existentes.


Um caso exemplar, conforme relatado pelo Business Insider, ocorreu na Amazon, onde um sistema de IA era responsável pela triagem de candidatos. Descobriu-se que o algoritmo discriminava mulheres, colocando seus currículos em posição inferior comparado com os dos candidatos do sexo masculino, uma vez que haviam sido alimentados com dados históricos da própria empresa - que mostravam uma maioria de homens em cargos de tecnologia. Como resultado, o sistema acabou associando características femininas a uma

menor adequação para essas posições, perpetuando, assim, os preconceitos de gênero.


Outro desafio crucial é a transparência dos algoritmos. Muitos sistemas operam como ‘caixas-pretas’, dificultando a compreensão de suas decisões e gerando desconfiança entre candidatos e recrutadores. Além disso, a IA enfrenta dilemas éticos significativos: até que ponto é aceitável usar dados pessoais dos candidatos para alimentar algoritmos de seleção? Como garantir a privacidade e a segurança dessas informações?


A inteligência artificial tem o potencial de ser uma força transformadora na seleção de talentos com uma eficiência e precisão sem precedentes. A verdadeira revolução não será apenas na tecnologia que empregamos, mas na cultura de inclusão que ela ajuda a fomentar. Afinal, ensinar nossas máquinas a serem justas é, em última análise, um reflexo do nosso compromisso com um futuro onde a diversidade é não apenas aceita, mas celebrada como fonte de força e inovação.



Glossário:

Inteligência Artificial (IA): refere-se à capacidade de sistemas computacionais realizarem tarefas que normalmente requerem inteligência humana. Isso inclui aprendizado, raciocínio, reconhecimento de padrões, tomada de decisões e muito mais.

Diversidade Inclusiva: É um conceito que se refere à promoção da diversidade de pessoas com diferentes origens, características e experiências, bem como à criação de ambientes de trabalho que acolham e valorizem essas diferenças. Isso envolve o reconhecimento e a celebração da diversidade de gênero, etnia, orientação sexual, habilidades, entre outros aspectos, e o estabelecimento de políticas e práticas inclusivas para garantir igualdade de oportunidades para todos os colaboradores.


Brunno Rizzo é Desenvolvedor Full Stack; Analista de TI e Engenheiro de Software.


Este é o espaço Reverbera, idealizado pela @timbre.social para as discussões sobre empregabilidade e os novos modelos mentais para recrutamento e seleção, sem vieses inconscientes. Tem uma ideia para abordagens futuras? Manda aqui: contato@timbre.social


28 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page